gagalady
gagalady
News

  𝚃𝚑𝚎 𝙵𝚊𝚖𝚎

  𝑺𝒐𝒃𝒓𝒆 𝒐 𝒂𝒍𝒃𝒖𝒎
 The Fame é o álbum de estreia de estúdio da cantora, compositora e co-produtora norte-americana, Lady Gaga. Foi lançado pela editora discográfica Interscope Records em 19 de Agosto de 2008 no Canadá. Depois de escrever várias canções para outros artistas, Gaga decidiu lançar este álbum. O tema principal das faixas é sobre como alguém pode sentir-se famoso sendo uma celebridade. A artista trabalhou com alguns produtores no projecto, nomeadamente, RedOne, Rob Fusari, Martin Kierszenbaum, Space Cowboy, Brian Kierulf e Josh Schwartz. As músicas são em sua maioria inspiradas pelo amor de Gaga pela fama, e lida com as complexidades de um estilo de vida rico e famoso, visualizado pela mesma. Musicalmente, é inspirado em electropop e synthpop dos anos 80, incorporando música de dança e refrões suaves. O álbum recebeu críticas positivas, com os críticos comentando a habilidade da cantora em descobrir refrões melódicos e comparando a sua agilidade vocal à da artista Gwen Stefani. Foi número um em vários países, como o Reino Unido, o Canadá, a Áustria, a Alemanha, a Suíça e a Irlanda. Nos Estados Unidos, atingiu o pico na segunda posição na Billboard 200 e assumiu a liderança da Billboard Dance/Electronic Albums. Mundialmente, o disco vendeu mais de doze milhões de cópias. Os primeiros dois singles retirados de The Fame, "Just Dance" e "Poker Face", foram ambos hits internacionais, com o primeiro a atingir o topo de seis países incluindo a Billboard Hot 100 dos Estados Unidos. "Poker Face" esteve na liderança de quase todas as paradas da indústria musical, e tornou-se o seu segundo número um consecutivo de Gaga na Hot 100. Outras faixas de trabalho incluem "Eh, Eh (Nothing Else I Can Say)", "LoveGame", e "Paparazzi". Gaga promoveu o álbum interpretando as músicas num número de aparições ao vivo, incluindo na sua primeira digressão, The Fame Ball Tour. O trabalho também é apresentado como disco bónus na edição deluxe do terceiro Extended Play (EP) da cantora, The Fame Monster. Em 2 de Dezembro de 2009, The Fame foi nomeado para seis Grammy Awards e venceu na categoria Melhor Gravação Dance por "Poker Face". Arrecadou ainda o prémio na categoria Melhor Álbum Electronic/Dance na edição de 2010. No dia 16 de Fevereiro de 2010, ganhou na cerimónia BRIT Awards de 2010 na categoria Melhor Álbum Internacional.

  𝑫𝒐𝒘𝒏𝒍𝒐𝒂𝒅
  𝐁𝐀𝐈𝐗𝐄: Hits e Beats | Download do Pop | Google Drive
  𝐂𝐎𝐌𝐏𝐑𝐄: Cultura | Saraiva | Fnac | iTunes | Mercado Livre
  𝐂𝐀𝐍𝐓𝐄: Vagalume | Terra

  𝑷𝒆𝒓𝒇𝒊𝒍
Lançamento: 19 de agosto de 2008
Gravação: Janeiro - Maio de 2008;
Local: Record Plant, Chalice Recording Studios, 150 Studios, Cherrytree Recording Studios, 333 Studios, Poe Boy Studios
Gênero(s): Pop, electrónica, eletronic dance music
Duração: 50:38
Idioma(s): Inglês
Formato(s): CD, download digital, disco de vinil
Gravadora(s): Intercope, Streamline, Kon Live, Cherrytree

  𝑨𝒏𝒕𝒆𝒄𝒆𝒅𝒆𝒏𝒕𝒆𝒔 𝒆 𝒅𝒆𝒔𝒆𝒏𝒗𝒐𝒍𝒗𝒊𝒎𝒆𝒏𝒕𝒐
 Enquanto se estabelecia como uma artista e trabalhava em Nova Iorque numa discoteca, Gaga lançou o seu álbum de estreia, The Fame. Sobre o conceito e título do álbum, a cantora explicou: "[O álbum] é sobre como cada pessoa pode sentir-se famosa. [...] A cultura popular é arte. Não te faz parecer fixe se detestares a cultura pop, então eu abracei-a para você a ouvir. Mas é uma fama que é compartilhada. Eu quero convidar todos para a festa. Quero que as pessoas se sintam como uma parte desse estilo de vida". A artista afirmou numa entrevista à MTV UK que tinha trabalhado no disco durante dois anos e meio e completou-o a meio da primeira semana de Janeiro de 2008. Trabalhando também nas letras, melodias e instrumentos, a cantora colaborou com o produtor RedOne no processo de produção. De acordo com Lady Gaga, a primeira faixa, "Just Dance", é um motivo de alegria, música-tema do coração, que apela às pessoas que passam por momentos difíceis nas suas vidas. "LoveGame" foi inspirado pela forma sedutora como Gaga age numa discoteca, sendo que o refrão se refere inteiramente a esse clima sexual que se pode viver num clube noturno. "Paparazzi" tem sido interpretada com significados diferentes. No entanto, Gaga explicou numa entrevista com o sítio About.com, que a canção foi inspirada nas suas lutas e pela fome para a fama e amor. Essencialmente uma canção de amor, "Paparazzi" trata de seduzir os média, colocando a pergunta se é possível viver com amor e fama. "Poker Face" foi inspirada pelos namorados de Gaga que gostavam de jogos de azar, e também tratou da sua experiência pessoal de bissexualidade - as suas fantasias sobre as mulheres ao ter sexo com homens - representando assim a sua "poker face". "Boys, Boys, Boys" foi inspirada pelo título similar da canção "Girls, Girls, Girls" de Mötley Crüe. A cantora explicou que queria uma versão feminina da música. "Beautiful, Dirty, Rich" resumiu o seu tempo de auto-descoberta, em relação às drogas. "Eh, Eh (Nothing Else I Can Say)" trata sobre o fim de um relacionamento amoroso, e o processo de descoberta de um novo alguém. "Brown Eyes", de acordo com a cantora, é a canção mais vulnerável do disco, inspirada na música da banda Queen. Gaga acreditava que a coisa mais importante que faltava na música pop contemporânea era a combinação da imagem visual do artista com a música. As suas performances ao vivo incorporam representações teatrais das canções do álbum.

    Eu sinto que este disco é realmente diferente, tem faixas de disco, glam dos anos 70, e até gravações de música rock. [...] The Fame não é sobre quem você é, é sobre como todo mundo quer saber quem você realmente é! Compre e ouça antes de sair ou entrar no carro. [...] Acho que realmente se tem de permitir a criatividade dos artistas. Levei um tempo, mas se pensar bem, chego à conclusão que consegui. Não poderia estar mais orgulhosa deste trabalho. Não é apenas um álbum, é um movimento de arte pop num todo. Não se trata apenas de uma canção.

  𝑪𝒐𝒎𝒑𝒐𝒔𝒊𝒄𝒂𝒐
 O álbum atraiu influências de músicos de glam rock do final dos anos 1970 como David Bowie e a banda Queen. Gaga incorporou seu som glam-rock, enquanto concebia melodias pop pegáveis e ganchos para criar o que ela apelidou de "pop teatral". Canções como "Poker Face", "Just Dance" e "LoveGame" são canções de dança uptempo, com "Poker Face" carregando um som escuro com vocais suaves no coro e um gancho pop. "Just Dance" é baseada em synthpop enquanto "LoveGame" tem uma batida mais dançante, e "Money Honey" tem um moderado techno groove. "Paparazzi" é interpretada uma batida sensual, enquanto "Summerboy" teve influências da música de Blondie. "Eh, Eh" é creditada como uma balada em comparação com o resto das faixas de dança de The Fame. A canção tem um sentimento de synthpop dos anos 80, incorporando o gancho "Eh, Eh" do single de 2007 da cantora barbadiana Rihanna do álbum Good Girl Gone Bad, "Umbrella". Liricamente, as canções de The Fame falam sobre ser famoso e alcançar popularidade, "Poker Face" é sobre insinuações e provocações sexuais. Gaga explicou em uma entrevista com o Daily Star que as letras carregam um pouco de um tom de confusão sobre amor e sexo. De acordo com a BBC, o "Mum-mum-mum-mah" utilizado na música é copiado do hit de 1977 de Boney M, "Ma Baker". "Just Dance" fala sobre ser intoxicado em uma festa, com letras como "What's going on on the floor?/I love this record, baby but I can't see straight anymore". "LoveGame" retrata uma mensagem sobre a fama, amor e sexualidade que é parecida com o tema central do álbum. "Paparazzi" retrata um seguidor que está seguindo alguém que é seu ou sua maior fã. As letras também retratam o desejo de capturar a atenção da câmera, bem como alcançar a fama. Gaga explicou que:

    Essa ideia de The Fame é executada por completo. Basicamente, se você não tem nada, sem dinheiro, sem fama, você ainda pode se sentir bonito e podre de rico. É sobre fazer escolhas, e ter referências— coisas que você puxa da sua vida e que você acredita em. Trata-se de auto-descoberta e ser criativo. A gravação é um pouco focada, mas também é eclética. [...] O objectivo da música é de inspirar as pessoas a sentirem-se de uma certa forma sobre si mesmas, de modo que vão ser capazes de abranger em suas próprias vidas, uma sensação de fama interior que pode ser projectada para o mundo, e a natureza despreocupada do álbum é um reflexo daquela aura. Eu gosto de fundir ideias interessantes para o resto do mundo através de uma lente pop.

  𝑨𝒗𝒂𝒍𝒊𝒂𝒄𝒂𝒐 𝒅𝒂 𝑪𝒓𝒊𝒕𝒊𝒄𝒂
 O álbum recebeu críticas geralmente favoráveis. Obteve uma pontuação colectiva de 71 de 100 do Metacritic. Mateus Chisling da Allmusic declarou: "Abastecido por faixas de dança pesadas e batidas electrónicas, The Fame [...] é uma amostra bem trabalhada do anti-pop atrevido em alta qualidade. [...] Lady Gaga tira todas as paradas em The Fame, injetando sintetizadores contundentes e batidas slicks e grooves. Desde a sua faixa de abertura até onde se fecha, The Fame falha em ser breve em sons funkys para divertir os fãs desse gênero de dança." Nicole Powers da URB elogiou as "influências disco dos anos 70 e o electro pop dos anos 80" do álbum e "as letras carregadas de ironia, entregues em um estilo que deve alguma coisa a Gwen Stefani", acrescentando que "Gaga escreve cantigas deluxe que obrigam o ouvinte a 'Just Dance'. Mikael Wood da Entertainment Weekly deu um B- a The Fame, dizendo que é notavelmente (e exaustivamente) puro em sua visão de um mundo em que nada supera ser bonito, sujo e rico. Nesta economia, porém, o seu escapismo tem seus encantos". Alexis Petridis do The Guardian elogiou Gaga por ser boa em melodias. De acordo com ela, "The Fame" chega embalando uma melodia imensamente viciante ou um gancho inescapável, praticamente tudo o que soa como um outro hit single [...] The Fame certamente soa como se pudesse ser grande." Evan Sawdey do PopMatters escreveu negativamente sobre as faixas "Eh Eh", "Paper Gangster" e "Brown Eyes", mas o chamou de "um álbum de dance sólido", observando que "muito do sucesso do álbum pode ser atribuído ao produtor RedOne." Joey Guerra do jornal Houston Chronicle comentou que "embora as canções presentes no álbum não são inovadoras, Gaga merece crédito por trazer a música de dança real à multidão. Genevieve Koski do The AV Club e Sal Cinquemani da Revista Slant fizeram uma comparação dos vocais de Gaga com os de Gwen Stefani. Koski disse que o álbum é "alimentado por uma energia cheia-de-purpurina, incitada-por-dança que se equipa bem para extended club play, que é realmente o destino." Cinquemani disse que "as letras de Gaga alternam entre baratas [... ] e [...], absurdas e as suas performances vocais são desiguais na melhor das hipóteses [...] [as] músicas que trabalham incluem "Poker Face", "Starstruck", "Paper Gangsta" e "Summerboy"— o resto quase que exclusivamente produz ganchos ágeis de cantar." Freedom du Lac do The Washington Post criticou o álbum por falta de originalidade. Sarah Rodman do The Boston Globe escreveu que "[...] as confecções de disco de Lady GaGa poderiam ser facilmente confundidas com o isco descuidado de, digamos, as The Pussycat Dolls. [...] Mas ouça um pouco mais às escondidas, glam grooves nessa estreia fogosa e você vai ouvir que esta spice girl que se apresentava na baixa da Cidade de Nova Iorque tem pelo menos algumas coisas em sua mente suja." O crítico Robert Christgau disse que o álbum foi "superficial em sua maioria de princípios." Daniel Brockman do The Phoenix, observou que no álbum "Gaga levanta o ante em termos de composições cativantes e puras [sic] [...]."

  𝑷𝒓𝒆𝒎𝒊𝒐𝒔 𝒆 𝒊𝒏𝒅𝒊𝒄𝒂𝒄𝒐𝒆𝒔
 The Fame recebeu no seu total 13 nomeações, das quais ganhou 11. Recebeu 2 nomeações aos Grammy Awards na sua 52 edição que ocorreu em 2 de Dezembro de 2009. Foi nomeado para Álbum do Ano e ganhou Melhor Álbum Electronic/Dance. Recebeu uma nomeação na categoria Álbum Pop/Rock Favorito nos American Music Awards de 2009, perdendo para Michael Jackson com o álbum de compilação, Number Ones. Ganhou um Premio Oye! de Álbum do Ano em 2009 e o BRIT Award de Melhor Álbum Internacional e o Fonogram Award de Álbum Pop/Rock Internacional Moderno em 2010. Nem todas as nomeações foram favoráveis. Conseguiu uma nomeação para Pior Álbum nos NME Awards, perdendo para os Jonas Brothers com o seu quarto álbum de estúdio, Lines, Vines and Trying Times.

  𝑫𝒆𝒔𝒆𝒎𝒑𝒆𝒏𝒉𝒐 𝒏𝒂𝒔 𝒑𝒂𝒓𝒂𝒅𝒂𝒔
 Nos Estados Unidos, The Fame estreou no número dezassete na Billboard 200, com vendas de 24 mil exemplares em 15 de Novembro de 2008. Depois subir na parada, o álbum chegou a número dez em 7 de Março de 2009. Em seguida, atingiu um pico de número dois na parada. O álbum também liderou a Billboard Dance/Electronic Albums, ficando nessa posição por 103 semanas não consecutivas. Em Março de 2010, o álbum foi certificado três vezes platina pela Recording Industry Association of America (RIAA) pela venda de três milhões de cópias. Em 2009, The Fame vendeu 2.238 mil cópias nos Estados Unidos, sendo o quarto álbum mais vendido nesse ano, ficando no topo o álbum Fearless de Taylor Swift. No ano seguinte, The Fame vendeu 1.591 mil cópias, uma baixa em relação ao ano anterior, ficando em sexto lugar nos álbuns mais vendidos do ano, ficando no topo o álbum Recovery de Eminem. Este álbum já vendeu mais de 4.4 milhões de cópias nos Estados Unidos e é o segundo álbum digital mais vendido por lá, vendendo 961 mil cópias digitais. Com o lançamento de The Fame Monster, que também foi combinado com The Fame como uma edição deluxe, o álbum saltou de trinta e quatro para seis na Billboard 200, com vendas de 151 mil exemplares. Em 16 de Janeiro de 2010, The Fame mudou-se para um novo pico de dois na Billboard 200 após ficar na parada por 62 semanas. No Canadá, o álbum alcançou o número um, e foi certificado sete vezes platina pela Music Canada para embarque de 560 mil cópias, e vendeu 390.000 cópias em Dezembro de 2009. O álbum estreou no número seis, e atingiu um pico de número dois na Nova Zelândia, além de ser certificado com dupla platina pela Recording Industry Association of New Zealand (RIANZ). Na Austrália, o álbum estreou no número doze e atingiu um pico de três. Foi certificado três vezes platina pela Australian Recording Industry Association (ARIA) pela as transferências de 210 mil cópias. The Fame estreou no número três no Reino Unido. Depois de passar 10 semanas no top dez, substituiu Songs for My Mother de Ronan Keating na posição máxima. Desde então, o álbum ficou por quatro semanas consecutivas em número um. Foi certificado quatro vezes platina pela British Phonographic Industry (BPI), e vendeu 2.540.000 cópias até 1 de Março de 2011. Também tornou-se o primeiro álbum a alcançar a certificação de platina com base em vendas digitais depois de vender 300.000 unidades no Reino Unido. Na Irlanda, o álbum entrou nas paradas no número oito, e na sua quinta semana subiu para número um por duas semanas consecutivas. Na Europa continental, o álbum alcançou a posição número um na European Top 100 Albums, na Austrian Albums Chart e na German Albums Chart. Também alcançou o top vinte no México, Bélgica, República Checa, Dinamarca, Finlândia, Grécia, Hungria, Itália, Países Baixos, Noruega, Polônia, Rússia e Suíça.] No mundo todo, o álbum já vendeu 12 milhões de cópias.

  𝑷𝒖𝒃𝒍𝒊𝒄𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆 𝒆 𝒑𝒓𝒐𝒎𝒐𝒄𝒂𝒐
 Para promover o álbum, Gaga fez várias apresentações em todo o mundo. Sua primeira aparição na televisão foi nos NewNowNext Awards na Logo TV em 7 de Junho de 2008. Ela também se apresentou nos programas de televisão So You Think You Can Dance, Jimmy Kimmel Live! e The Tonight Show with Jay Leno. Ela se apresentou no Vietname para o concurso de beleza Miss Universo 57 durante a competição de fatos de banho. Em 31 de Janeiro de 2009, ela se apresentou na televisão na Irlanda no show Tubridy Tonight que vai ao ar na RTÉ One. Três músicas de The Fame foram utilizadas na segunda temporada da série de televisão do The CW, Gossip Girl: "Paparazzi" no episódio "Summer, Kind of Wonderful", "Poker Face" em "The Serena Also Rises", e "Honey Money" em "Remains of the J". Gaga também cantou "Poker Face" no American Idol na sua oitava temporada em 1 de Abril de 2009. Para celebrar o lançamento da série Dirty Sexy Money, a American Broadcasting Company (ABC) criou um vídeo musical da canção de Gaga "Beautiful, Dirty, Rich", dirigido por Melina Matsoukas. Foi inicialmente anunciado como o segundo single de Gaga, mas "Poker Face" foi escolhido em seu lugar. Houve dois vídeos lançados para a música — o primeiro foi composto por vídeos de Dirty Sexy Money, e o segundo foi o vídeo musical actual. A canção entrou na UK Singles Chart devido a downloads digitais e chegou ao número 83.

  𝑭𝒂𝒊𝒙𝒂𝒔
 Para a composição das mesmas, foi levado em conta a edição especial do disco, distribuído nos Estados Unidos. Outras versões encerram sua tracklist na Faixa 12.
      𝟎𝟏. Just Dance (com participação de Colby O'Donis e Akon)
      𝟎𝟐. LoveGame
      𝟎𝟑. Paparazzi
      𝟎𝟒. Beautiful, Dirty, Rich
      𝟎𝟓. Eh, Eh (Nothing Else I Can Say)
      𝟎𝟔. Poker Face
      𝟎𝟕. The Fames
      𝟎𝟖. Money Honey
      𝟎𝟗. Again Again
      𝟏𝟎. Boys Boys Boys
      𝟏𝟏. Paper Gangsta
      𝟏𝟐. Brown Eyes
      𝟏𝟑. I Like It Roush
      𝟏𝟒. Summerboy
      𝟏𝟓. Disco Heaven
      𝟏𝟔. Again Again
      𝟏𝟕. Retro, Dance, Freak
      𝟏𝟖. Fashion

  𝑺𝒊𝒏𝒈𝒍𝒆𝒔
  Just Dance foi lançado como single do álbum a nível mundial em 17 de Junho de 2008, através de download digital. A canção foi criticamente apreciada com revisores elogiando sua natureza de parecença com um hino e do synthpop associado a ele. Obteve sucesso comercial por ficar no topo nos Estados Unidos, Austrália, Canadá, República da Irlanda, Países Baixos e Reino Unido, bem como alcançando o top dez em muitos outros países. A canção recebeu uma nomeação aos Grammys na categoria Melhor Gravação Dance, mas perdeu para o duo eletrónico Daft Punk com a música "Harder, Better, Faster, Stronger".
  Poker Face foi lançado como o segundo single do álbum. Também foi bem recebida pelos críticos, muitos dos quais têm elogiado o gancho robótico e o coro. O single alcançou maior sucesso do que "Just Dance" ficando no topo das paradas em quase todos os países em que foi lançado. "Poker Face" tornou-se o segundo número um consecutivo de Gaga na Hot 100. Em 2 de Dezembro de 2009, "Poker Face" recebeu três nomeações ao Grammy nas categorias de Canção do Ano, Gravação do Ano, e ganhou o prémio de Melhor Gravação Dance.
  Eh, Eh (Nothing Else I Can Say) foi o terceiro single do álbum na Austrália, Nova Zelândia, Suécia e Dinamarca e quarto na França. A canção recebeu críticas mistas. Alguns críticos compararam-na com o europop da década de noventa, enquanto os outros criticaram-no por trazer a natureza de festa do álbum a um impasse, e portanto, ser um embaraço para o álbum. Não conseguiu igualar o sucesso dos singles anteriores na Austrália e Nova Zelândia, alcançando as posições quinze e nove, respectivamente. Chegou a número dois na Suécia e sete na França.
  LoveGame foi lançado como o terceiro single nos Estados Unidos, Canadá e alguns países europeus. Foi o quarto single na Austrália, Nova Zelândia e Reino Unido. A canção foi criticamente apreciada pela sua melodia cativante e o gancho "I wanna take a ride on your disco stick". A canção alcançou o top dez em países como os Estados Unidos, Austrália e Canadá, e os vinte melhores em outros.
  Paparazzi foi anunciado como o terceiro single no Reino Unido e Irlanda com a data de lançamento prevista para 6 de Julho de 2009, o quarto single nos Estados Unidos, e o quinto single em geral. A canção alcançou o top cinco na Austrália, Canadá, Irlanda e Reino Unido. Também alcançou o top dez nos Estados Unidos. A canção foi apreciada pela sua natureza divertida e é considerada a canção mais memorável do álbum. O vídeo musical da canção foi filmado como um mini-filme com Gaga estrelando como uma actriz condenada que é quase morta por seu namorado, mas no final se vinga e recupera sua fama e popularidade.

  𝑯𝒊𝒕𝒎𝒊𝒙𝒆𝒔
 Foi lançado um extended play (EP) de remisturas para The Fame. Hitmixes, como foi denominado, foi lançado em 25 de agosto de 2009 somente no Canadá através da Universal Music canadense. O álbum possui versões realizadas por vários músicos, como RedOne e Space Cowboy, que trabalharam com Gaga anteriormente. O EP é influenciado pela música dos anos 80 e é derivado do estilo musical house. O trabalho recebeu opiniões positivas dos críticos do Calgary Herald e da revista Blare, estreando na posição oito da Canadian Albums Chart. Saiba mais.

  𝑹𝒆𝒄𝒆𝒑𝒄𝒂𝒐 𝒈𝒆𝒓𝒂𝒍
 Para acompanhar todo o histórico de vendas e as certificações da cantora, clique aqui.